Conveniências de esquecimento!

A conveniência ou não conveniência do esquecimento

 

Quem será que nunca, repentinamente, esqueceu de algo?

Mas esquecer, repentinamente, de algo com frequência pode ser devido a muitas circunstâncias!

A memória, social ou individual, determina-se fazendo selecções sobre o material que se tem à disposição, que podem ser prévias, isto é orientados por interesses, ou selecções posteriores, no sentido de satisfazer a operacionalidade ou a funcionalidade dos elementos guardados.

 

A memória existe porque nós a constituímos, ao negar o desaparecimento do presente, isto é, guardamos a informação para a voltar a consagrar como presente ao relembrar.

Nós temos uma tendência para esquecer factos ou eventos ao longo do tempo, a que chamamos transitoriedade e, é muito provável que esqueçamos a informação, logo a seguir à apreensão. Este facto faz que com a memória tenha a oportunidade de gerir a qualidade da informação e “esquecer” o lixo absorvido.

Por vezes confunde-se este aspecto “transitório” com um sinal de debilidade, mas no fundo o que estamos a fazer é a arrumar as gavetas ou pastas da informação.

Outro tipo de esquecimento com que nos deparamos no nosso quotidiano é fruto da distracção. Aqui o nosso cérebro não codifica a informação de forma segura e surge o esquecimento.

Este esquecimento é “praticado” por indivíduos que esquecem a caneta, a reunião ou a toma de medicamentos. É perfeitamente eliminável.

A nossa memória também não ajuda quando sentimos a resposta na ponta da língua e não somos capazes de a pronunciar. A este tipo de esquecimento, chamamos o bloqueio, ou a incapacidade temporária para recuperar a memória. O bloqueio ocorre quando a memória está devidamente armazenada no cérebro, mas algo o impede de encontrar a informação.

Entre as falhas da memória podemos encontrar ainda outros tipos de anomalias como a falta de atributos na infirmação como alguns pormenores ou origem. Isto pode explicar a inocência na atribuição errada de autoria de factos. É uma questão de atribuição de autoria que resulta de mau armazenamento na memória.

Na nossa memória, as nossas percepções são filtradas pelos nossos preconceitos pessoais, em relação a experiências passadas, crenças, e conhecimentos adquiridos e prévios, e pelo nosso estado de espírito no momento da recepção da informação.

Os nossos preconceitos afectam as nossas percepções e experiências quando elas são codificadas no cérebro e, ao relembrar os acontecimentos a imagem recebida é influenciada por esses preconceitos dando origem ao esquecimento de conveniência.

Hoje existe tecnologia que permite estudar a função cognitiva e prevenir situações de esquecimento que pode ser extremamente prejudiciais à nossa vida.

PET scan pode detectar o declínio no metabolismo da glicose associado com diminuição da função cognitiva, particularmente nos lobos temporais e parietais localizadas nas laterais e na parte posterior do cérebro, as regiões associadas com a formação da memória e da linguagem. Pesquisadores na UC Berkeley pesquisadores estão a descobrir que a imagem cerebral é uma promessa como um método de detectar sinais precoces da doença de Alzheimer.”

Quer comentar?

There are no comments on this post.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: